Brasil Ao completar oito meses de pandemia, o Rio Grande...

Ao completar oito meses de pandemia, o Rio Grande do Sul deve chegar a 6 mil casos fatais de coronavírus. Testes positivos totalizam quase 262 mil

-

- Advertisment -

Idosos mantêm predomínio entre os óbitos causados pela Covid. (Foto: EBC)

O Rio Grande do Sul completa nesta terça-feira (10) oito meses desde a confirmação de seu primeiro caso de coronavírus. Até agora, são pelo menos 261.656 gaúchos infectados (94% já recuperados), 781 deles acrescentados pelo mais recente boletim da SES (Secretaria Estadual da Saúde), divulgado no final da tarde passada. Já os óbitos chegam a 5.997, com cinco novas vítimas.

A estatística, que abrange todos os 497 municípios do Estado, é detalhada nas plataformas digitais, redes sociais e sites do governo gaúcho e da própria SES, incluindo o Twitter, por meio do qual são divulgadas as atualizações mais frequentes.

Ainda no que diz respeito às perdas humanas, o relatório deste primeiro dia útil da semana abrange vítimas de 60 a 78 anos, ressaltando um aspecto global que permanece inalterado desde a chegada da pandemia, não apenas no território gaúcho: a prevalência de idosos entre os casos fatais da Covid.

O começo

A chegada da pandemia ao mapa gaúcho foi oficializada no dia 10 de março (duas semanas após São Paulo anunciar o primeiro registro no Brasil), por meio de uma coletiva de imprensa com o governador Eduardo Leite. Como caso inaugural no Estado, um homem de 60 anos, residente em Campo Bom (Serra) e que no dia 23 de fevereiro havia retornado de viagem à Itália – um dos epicentros da doença na época.

Enquanto a informação era divulgada, o Palácio Piratini já admitia a notificação de outros 86 casos suspeitos de Covid-19 que permaneciam sob observação. Uma dessas pessoas se tornaria, no dia seguinte, o caso comprovado de número 2 no Estado e a primeira na estatística de Porto Alegre: uma mulher de 54 anos e que também fizera turismo na Itália, voltando no dia 6 de março.

Já a primeira morte causada pela Covid-19 seria registrada no dia 25 de março, em Porto Alegre. Ao anunciar o fato por meio de nota oficial, o prefeito Nelson Marchezan Júnior detalhou que a vítima era uma mulher de 91 anos, internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Moinhos de Vento.

A exemplo do que acontece em praticamente todo o planeta, dois segmentos populacionais gaúchos seriam os mais vulneráveis à doença: os pacientes com outras doenças crônicas (cardíacas, respiratórias, circulatórias ou neurológicas, além de diabetes, câncer e obesidade, dentre outros males de saúde) e os idosos – o recorde no Estado é o de uma anciã de 107 anos, falecida em setembro.

(Marcello Campos)

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

Ultimas Notícias

Além da Ilusão: Heloísa confessa crime de Joaquim para Violeta

Violeta (Malu Galli) verá sua vida virar completamente de cabeça para baixo em Além da Ilusão. Isso porque a...

Colesterol alto é fator de risco para doenças cardiovasculares

O presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes - Regional RJ (SBD-RJ), Daniel Kendler, lembra, no Dia Nacional...

“Bolsonaro é um criador de crises”, diz Maílson da Nóbrega

Exatamente. O desafio dos dois, mas é mais do Bolsonaro do que do Lula, é reduzir a...

Caixa divulga calendário de pagamento de benefícios a caminhoneiros e taxistas

A Caixa vai iniciar o pagamento do Benefício Caminhoneiro e do Benefício Taxista este mês. Os auxílios serão creditados...